<$BlogRSDUrl$>

domingo, fevereiro 29, 2004

Cake - Short Skirt Loooong Jacket 

I want a girl with a mind like a diamond
I want a girl who knows what´s best
I want a girl with shoes that cut
And eyes that burn like cigarettes
I want a girl with the right allocation
Who´s fast, and thorough, and sharp as a tack
She´s playing with her jewelry, she´s putting up her hair
She´s touring the facility and picking up slack
I want a girl with a short skirt,
And a loooooooooooooooooooooooooooooooong jacket

I want a girl who gets up early
I want a girl who stays up late
I want a girl with uninterrupted prosperity
Who uses a Machete to cut through red tape
With fingernails that shine like justice
And a voice that is dark like tinted glass
She is fast, thorough, and sharp as a tack
She´s touring the facility and picking up slack
I want a girl with a short skirt,
And a long, long jacket

Nanananananananananananananananananananananananananananana

I want a girl with a smooth liquidation
I want a girl with good dividends
At Citi Bank we will meet accidentally
We´ll start to talk when she borrows my pen
She wants a car with a cup holder arm rest
She wants a car that will get her there
She´s changing her name from kiddy to Karen
She´s trading her mg for a white Chrysler le barron
I want a girl with a short skirt,
And a
looooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooong
jacket


sexta-feira, fevereiro 20, 2004

Pela Vida 

Viajava
Dolorido pelos maus caminhos
Neles ficamos sozinhos
Entre a pedra que nos alcança
E nos parte a vida em duas
E sonhava...
entrelaçado em mil braços
aquecido nos abraços
Que me entopem o coração
E que nos mantêm vivos
Realizei
Em mil horas desta vida
O quanto me era querida
A virtude que ela tinha
A condição
Entre a confusão
Entre a profusão
Uma lógica perversa desta vida insensata
De que se não for adversa
Então não é uma condição inata
Nem pode ser chamada de Vida
É uma breve criação
Sem ser vivida
A verdade lenta
Que nos arrebenta
A paixão
da Vida.

terça-feira, fevereiro 17, 2004

"Independência ou Morte" 

"Joaquim José da Silva Xavier
Morreu a 21 de abril
Pela independência do Brasil
Foi traído e não traiu jamais
A inconfidência de Minas Gerais"

Os Inconfidentes foram um grupo que fez em 1789, ano de outras revoluções, a primeira tentativa de independência do Brasil. Um figura sobressai do grupo de uns 18 implicados nesta tentativade golpe, Tiradentes, ou Joaquim José da Silva Xavier. Foi condenado à forca porque traido por alguns dos outros inconfidentes e a sua cabeça foi levada do Rio de Janeiro para Vila Rica (Actual Ouro Preto), em Minas Gerais e ficou exposta num poste em frente à Igreja Nossa Senhora dos Remédios dos Brancos. Já li que foi roubada uma noite e não voltou a ser encontrada. O corpo foi esquartejado e cada uma de 4 partes foi levada para um canto do Estado de Minas Gerais. Assim se esmagou a primeira tentativa de independência do Brasil. Antes de ser enforcado no Rio de Janeiro, Tiradentes (assim alcunhado porque efectivamente alêm de Alferes era uma espécie de dentista da época) disse: "Cumpri a minha palavra! Morro pela liberdade!" A sentença de morte foi lida em público e vale a pena lê-la mais de duzentos anos depois para entender o quão pesada era a mão da corôa portuguesa no reinado de D. Maria I ainda sob enorme influência do Marquês de Pombal: (...) Portanto condenam ao Réu Joaquim José da Silva Xavier por alcunha o Tiradentes Alferes que foi da tropa paga da Capitania de Minas a que com baraço seja conduzido pelas ruas publicas ao lugar da forca e nella morra morte natural para sempre, e que depois de morto lhe seja cortada a cabeça e levada a Villa Rica aonde em lugar mais publico della será pregada, em um poste alto até que o tempo a consuma, e o seu corpo será dividido em quatro quartos e pregados em postes pelo caminho de Minas no sitio da Varginha e das Sebolas aonde o Réu teve as suas infames práticas e os mais nos sitios (sic) de maiores povoações até que o tempo os consuma; declaram o Réu infame, e seus filhos e netos tendo-os, e os seus bens applicam para o Fisco e Câmara Real, e a casa em que vivia em Villa Rica será arrasada e salgada, para que nunca mais no chão se edifique e não sendo própria será avaliada e paga a seu dono pelos bens confiscados e no mesmo chão se levantará um padrão pelo qual se conserve em memória a infamia deste abominvel Réu;(...)
Estive em Ouro Preto e numa Cidade pequena chamada Tiradentes e posso dizer que ambas impressionam e que a independência do Brasil que só aconteceu quase 25 anos depois muito deve a este célebre movimento dos Inconfidentes. Não sei se todos os sentimentos por detrás da tentativa de golpe fora "muy nobres", porque se tratava de uma região imensamente rica e houve ordens religiosas envolvidas, pelo que interesses mais altos mas menos elevados... se poderão ter levantado (Ainda para mais eram conhecidas as imensas falcatruas com o não pagamento de impostos relativos à exploração das minas, à coroa portuguesa e o envio de ouro falso para a metrópole). Romanceando um pouco, foi pelo menos um acto heróico. Respira-se esse ar por aquelas paragens do interior de Minas. Talvez por isso esta figura do Tira Dentes e dos inconfidentes ganhem tanto ou mais destaque que o famoso "Grito do Ipiranga" proclamado por D. Pedro, depois primeiro Imperador do Brasil nas margens do rio com o mesmo nome e que efectivamente levou à independência do Brasil.

segunda-feira, fevereiro 09, 2004

Palavra predilecta 

Não há Samba sem poesia nem poesia sem dor, nem amor sem utopia nem utopia sem mentira, nem frio sem medo ou medo do frio. No jogo de palavras a emoção é o segredo, a fantasia, o que arrelia, o nascer da noite no terminar do dia. No jogo de palavras o sorriso aquece porque o verso adormece a dor da alma, a noite, a calma, o avesso do sistema, a tua pele morena, a robustez do meu beijo, do teu, do sal que te sai da pele, do cheiro ocre ou do doce aroma, do jasmim em fantasia, da silhueta ainda esguia, do meu amor por ser assim, da palavra que há dentro de mim, de cada eu, de ser só teu, do rumor vadio, do amor perdido, do estio, do corpo dorido, ferido, filme ainda não acabado outrora escrito para nunca ser filmado. Não há palavra sem o extase de fantasiar sobre o seu real significado. Não há samba sem poesia e um pouco de tristeza como dizia o poeta. Não há palavra predilecta.

terça-feira, fevereiro 03, 2004

Lição do gordo 

"Creio na familia, na propriedade e na tradição, desde que a propriedade seja tradicionalmente da minha familia" A frase é de Jô Soares que passou por Lisboa, infelizmente por não estar não pude ir ver mas o humor inteligente que exala em cada coisa que diz, faz-me gostar deste "grande" humorista.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?